A população da província do Uíge ( Imagem de Branquima A. Kituma)
A população da província do Uíge ( Imagem de Branquima A. Kituma)

O último recenseamento populacional data de 1970. A situação excepcional que o país viveu nos últimos 20 anos, não permite a existência de dados actuais fiáveis, sobre a dimensão e distribuição da população. A população da Província é maioritariamente composta por Africanos de origem Banto e euro-africanos em pequeno número. A população da Província do Uíge é estimada em, aproximadamente, 1.912.861 de habitantes.

Caracterização etno-linguística

Embora a língua que predomina toda a costa a maior parte da sociedade da Província seja KIKONGO, existem franges na sua extensão, deferindo de área em área.

Assim, ressalta-se que, no Município de Maquela do Zombo predomina os subgrupos Mbatas. No Município da Damba, encontramos os seguintes subgrupos etnolinguísticos: Bachicongo, Bazombo e Bansoso. No Bembe e Ambuila, os Bassolongos, Bassundi e Bauoyo.
Ao longo destes, é possivel registar-se a grande diferença etnolinguística na expressão das populações, no sentido descendentes de norte a sul, partindo de Maquela do Zombo a Comuna de Sacandica, da Damba, Nsoso, Bungo, as grandes e notáveis diferenças distinguem-se em termos do sotaque ou pronúncia.

Na vertente nordeste, particularmente os Municípios do Púri, Cangola que agregamos ao grupo do Negage e Dange-Quitexe, encontramos, os do Sanza Pombo, Buengas igualmente alguns subgrupos para os Municípios de Milunga e Kimbele, com as seguintes denominações:

  • Subgrupos etnlinguísticos do Milunga, Bassosso, Bayaca, Pombo e Bassuku;
  • Para o Município de Kimbele encontramos igualmente os subgrupos etnolinguísticos: Bakongo Bassosso, bacano, Balungi e Bayaka, cuja pronunciação vai diferindo de subgrupo para outro;
  • Verifica-se porém, casos muito particulares para os Municípios de Cangola, Puri, Negage e Dange-Quitexe em que há existência de subgrupos etnolinguísticos apresentam diversidade linguística como sendo: uma frange de kikongo e outra de kimbundo, pela influência que recebe das Províncias de Malange, Kwanza Norte e Bengo, em que suas populações são predominantemente kimbundos;
  • Os Municípios do Songo e Mucaba por influência dos Municípios de Ambuila e Bembe, ao primeiro dos Municípios do Bembe e Damba, ao segundo apresentam características etnolinguísticas aproximadas, contendo o do Songo alguns subgrupos tais como os bahumbo, bawando e bayembo, sendo este último maioritário;
  • Apesar de grandes particularidades existentes entre estes subgrupos etnolinguísticos reconhece-se outrossim, a existência de alguns aspectos em comum, do Dange à Maquela do Zombo e do Bembe à Cangola sob o ponto de vista de usos e costumes;
  • Por exemplo a existência dos subgrupos etnolinguísticos (Bassosso) nos Municípios da Damba,  Sanza Pombo, Milunga e Quimbele, dá-nos logo a entender que esta pequena etnia foi ramificando-se  uma determinda área para aqueles Municípios;
  • Este é um  sinal de partilha ou semelhança dos mesmos hábitos, usos e costumes quiçá a mesma cultura para todos os Municípios que fazendo Uíge um todo.

 

 

Comentário