Ruínas de uma casa colonial transformada em comando da Polícia Nacional no Bungo

Por Alfredo Dikwiza

Uíge, 06/02 (Wizi-Kongo) – Um escombro de casa deixada pelo colono português, na sede da vila do Bungo, província do Uíge, foi transformado há quase 20 anos, de maneira improvisada, em Comando Municipal da Polícia Nacional local, a exemplo de um adágio popular “quem não possui cão, caça com o gato”.

Localizado face a face com o mercado municipal do Bungo, pelo menos este totalmente remodelado da estrutura antiga deixada pelo regime colonial, agora com uma cara angolana, na rua B, já o comando municipal da Polícia Nacional local, há anos clama por melhorias urgente da sua infra-estrutura física, com vista a garantir melhores condições de acomodação no exercício diário dos seus efectivos, na ordem e na segurança pública do Estado angolano a nível da circunscrição.

Quem passa no local, mesmo não sendo analista ou arquitecto, consegue notar o estado deteriorável do imóvel. Não é necessário usar lupa para ver como se encontra, pior que isso, as obras improvisadas que há anos este comando foi alvo, em nada contribuíra para melhor.

Tal como no exterior onde é visível ver o estado daquele comando, no interior do mesmo, as condições de trabalho são lamentáveis, o que faz com que muito dos seus agentes ficam fora dos gabinetes e sentados em volta do pátio do referido comando, alguns jogando baralho, dama e outros jogos de recreação, pois, não possui vedação e fácilmente consegue-se ver a movimentação dos mesmo aos redor do comando.

“De 2002/2020, vários comandantes já dirigiram os destinos deste comando, mas, tal como encontraram, acabaram também deixar nas mesmas condições, ou seja, nenhum deles conseguiu convencer as instâncias superiores para uma possível construção de um comando de raiz e moderno, a exemplo, os de Negage, Cangola, Damba, apenas para citar, ou mesmo reabilitar o actual com obras mais eficaz”, observou ao Wizi-Kongo, hoje, quinta-feira, na sede do Bungo, um agente da corporação local.

Em termos de criminalidade, o município do Bungo, é um dos mais calmos, entre os 16 que compõe a província do Uíge, o que faz com que poucas são as vezes, ao abono da verdade, se afirma que as forças de segurança são chamadas para intervir, embora em algumas das vezes, um entre outro caso costuma aparecer.

Talvêz seja um dos motivos também aproveitados para que os seus efectivos tenham tempo suficiente para ficarem a jogar quanto tempo for necessário em volta do recinto e não só.

A semelhança do comando do Bungo que funciona em um escombro de uma casa deixada pelo colono português, estão também outros comandos dos municípios do Púri, Quitexe, Quinbele, apenas para citar, com as mesmas condições, segundo apurou nestes municípios, há dias, a equipa do Wizi-Kongo.

Enquanto as condições para aqueles funcionários públicos não conhecerem o dia de melhoramento, continuarão ajeitados como de costume.

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

1 Comment

  1. Sinceramente, até vocês que órgão guardião dos tyranos. Bem merecido essa miserável condição de trabalho. Seus intolerantes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.