Os maiores prédios do Uíge são insalubres e cheiram muito mal

O predio Kiatombua, o segundo maior da cidade, situado na rua 1° de Agosto, na cidade do Uíge, encontra-se invadida pelos excrementos humanos e de outros animais. Imagem do Wizi Kongo

Por Alfredo Dikuiza

Uíge – Os excrementos humanos preenchem o cartaz de visita de quase todos os prédios da cidade do Uíge, com maior destaque ao Imbodeiro e Kiatombua.

O maior prédio do Uíge, o Imbondeiro, como uma torneira, as fezes humanas dissolvidas na água, jorram dia e noite na sua entrada principal, localizada em face com o Banco Milênio Atlântico. Com os esgotos entupidos, as vezes escorrem normalmente, em volta da passadeira, do primeiro ao último dia do ano, num olhar a olho nú de ricos, pobres, crianças, adultos e idosos.

A falta de corrimãos e iluminação nas escadas, assim como água potável são, igualmente, outras características que identificam o maior prédio do Uíge, que possui oito andares.

Escuras e cheirosas, as fezes fazem daquele local horrível de ficar ou passar, o que leva muitas pessoas cobrir os narizes para evitar sentir tal aroma, mas, tudo indica que para os moradores do mesmo prédio já vivem acostumados com a situação, uma vez que o sonho da casa própria é uma miragem na vida dos uigenses.

Recordamos que o prédio Imbondeiro é vizinho do Grande Hotel do Uíge (GHU), o maior estabelecimento hoteleiro da província, uma referência do turismo local !

A semelhança do Imbodeiro, encontra-se o segundo maior prédio do Uíge, Kiatombua, onde o parque de estacionamento de viaturas e outros meios rolantes, foram totalmente sem piedade ocupados pelos excrementos humanos e de outros animais, situação que leva os moradores envadirem as ruas em redor para estacionar as viaturas.

Essa situação, leva a cantonar as crianças entre quatro paredes, sob risco de serem contamidos com várias doenças, caso venham a pisar nas fezes ou em água temperadas de fezes que ali se acumulam cada dia.

Wizi-kongo

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*