Preços da cesta básica no Uige “disparam”

Mercado municipal do Uíge

Por Nicodemos Paulo

 

 

 

 

 

O governador provincial do Uíge manifestou-se preocupado com os níveis de especulação dos preços dos produtos da cesta básica praticados pelos agentes económicos locais, sobretudo com aqueles que exercem a actividade comercial nas cidades com maior concentração populacional.

Pinda Simão, que falava durante o acto de abertura do conselho consultivo da delegação provincial do Interior na província, que decorreu no Comando de Protecção Civil e Bombeiros, disse que os comerciantes que se dedicam à comercialização dos bens que constituem a cesta básica para o sustento das famílias têm aumentado, de forma desproporcional, os preços destes produtos, incluindo aqueles que vigoram em regime vigiado.

O governador provincial do Uíge aproveitou a presença dos responsável dos Serviços Provinciais de Investigação Criminal (SPIC) e de outras estruturas policiais para apelar a uma maior fiscalização das actividades dos agentes económicos, com vista a  impedir a especulação de preços dos produtos da cesta básica.

Pinda Simão sublinhou que a fixação dos preços dos produtos deve obedecer a critérios  pré-estabelecidos pelo Governo e são de cumprimento obrigatório. Lembrou que os empresários que desobedecerem a estes critérios incorrem em multas ou na privação dos seus alvarás comerciais.
“Na actual situação económico-financeira do país, aliada ao regime cambial flutuante adoptado recentemente, muitos agentes económicos aproveitam para especular os preços como lhes convém. Esta atitude constitui crime e penaliza o cidadão”, frisou. O governante disse que a garantia da segurança individual, colectiva e a lisura na actividade económica é fundamental para a estabilidade de qualquer sociedade, pelo que as autoridades policiais têm a responsabilidade de assegurar o cumprimento destes direitos fundamentais, por meio da intensificação das suas actuações nos vários domínios da esfera social. “Todos os dias nos chegam relatos de populares que foram ludibriados por empresários desleais que, movidos pelo lucro fácil,   enchem os seus bolsos, aproveitando-se  dos pacatos cidadãos”, lamentou o governante, que acrescentou que outros comerciantes para fugirem ao fisco e enganarem os clientes não afixam os preços nas montras, prática  que os cidadãos devem denunciar aos órgãos de tutela, para que se reponha a legalidade”.

Além das infracções económicas, Pinda Simão disse estar também preocupado com o narcotráfico, a imigração ilegal e a delinquência juvenil. “O Poder desavergonhado do narcotráfico das redes que operam na imigração ilegal e outros crimes de carácter organizado são verdadeiros factores de desestabilização social”, afirmou o governador Pinda Simão, que acrescentou que frente a este perigo socio-económico é necessário serem incrementadas mais acções de fiscalização.

Canais de denúncia

Para uma maior interacção com a população o governador Pinda Simão sugeriu a  abertura de linhas telefónicas nos piquetes dos comandos policiais e dos serviços de investigação criminal, para atender as preocupações dos cidadãos.

“Constantemente são recebidas denúncias de cidadãos agastados com o comportamento desonesto de alguns operadores económicos, sobretudo no atendimento e na especulação de preços. Para contrapormos esta situação, devemos potenciar os órgãos do Ministério do Interior no Uíge com ferramentas técnicas capazes de facilitar a interacção com o público”, referiu. O governador Pinda Simão apelou  à promoção de práticas e acções operativas que permitam resgatar a confiança da corporação junto das populações  pelo facto destas posturas e atitudes se poderem reflectir na seriedade, integridade e carácter dos agentes policiais.“Esta postura vai criar vínculos de confiança com os diferentes estratos sociais, que vão permitir imprimir maior celeridade e diligência, sem que isso signifique arrogância ou o uso despropositado da força e autoridade que lhe é investida por Lei”, disse o governador.

O delegado do Interior do Uíge e comandante provincial da Polícia Nacional, comissário Leitão Ribeiro, garantiu que os órgãos do Ministério do Interior vão incrementar a acção policial  nas zonas fronteiriças para garantir a inviolabilidade da fronteira, realizar acções de sensibilização dos automobilistas com vista a diminuição da sinistralidade rodoviária,interagir mais com as populações para prevenir e esclarecer com maior celeridade os crimes.

Via JA

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*