Testemunha de Jeová expulsa da escola Católica

Por Alfredo Dikwiza

Uíge, 13/08 (Wizi-Kongo) – Elisa Manuel, casada de 30 anos de idade, mãe de 3 filhos, estudante da 10 Classe, na Escola de Formação de Professores Core Mariae do Uíge, pertencente a igreja Católica, foi expulsa da instituição académica por não participar nas orações católicas, que, um dos seus professor, no caso, Lukoki, costuma impor a todos os alunos na sala de aulas.

A causa da expulsão da Elisa Manuel e a sua colega Fineza é por professarem a mesma fê (Jeová), simplesmente põem-se de pé como sinal de respeito, quando o professor em conjunto com os demais estudantes fazem as orações católicas, a chamada “Sinal da Cruz”, o que, para o professor Lukoki não é suficiente as duas alunos simplesmente ficarem em pé e sem participar na oração. Segundo fontes fidedignas ligas as duas alunas, disse hoje, segunda-feira, à Wizi-Kongo, nesta cidade, que Elisa e Fineza não podem voltar a assistir as suas aulas do referido professor, a menos que elas passem a participar nas orações, no caso, fazer o Sinal da Cruz, assim como o professor venha exigindo aos demais alunos.

Para o esposo da Elisa, sublinhou que ao contactar com o professor Lukoki, fez-lhe lembrar de que o quê está consagrado na Constituição da República de Angola, no Artigo 41, não corresponde com aquilo que o professor se esta a proceder e, em resposta, Lukoki disse que “estou a cumprir com o que esta consagrado no Regulamento Interno da Escola”. “Isto nos dá entender que o Regulamento Interno da Escola dos Católicos está acima da Constituição de Angola.

O Professor Lukoki diz sempre: Aqui mandamos nós. Quem acha que não é Católico ou não deve fazer o Sinal da Cruz, que vá estudar na Escola contruída pela sua religião”, essa foi uma das resposta que o Lukoki deu, lamentou. Em seguida, continuo a descrever, o professor diz que “aqui é uma Instituição Católica. Quem veio para cá é porque aceitou tudo o que está pautado no Regulamento Interno dessa Escola”, para isso, a Elisa foi lhe dada uma sema para refletir se continuaria a defender a sua liberdade de consciência ou integridade moral e nunca assistir as suas aulas ou aceitar fazer o Sinal da Cruz e voltar assistir as aulas.

O Professor dava uma semana a estudante Elisa para refletir se continuaria a defender a sua liberdade de consciência ou integridade moral e nunca assistir as suas aulas ou aceitar fazer o Sinal da Cruz e voltar assistir as aulas, mas jovem manteve-se íntegra a sua Espiritualidade”, explicou. Como disse, a Sub-directora daquela instituição, Eva chegou a tomar conhecimento da situação, mas mostrou ter a mesma posição do professor Lukoki e dos demais professores que sugeriam que a Elisa abandonasse a instituição, que procurasse uma vaga noutra escola e daí a escola Core Mariae lhe passaria uma transferência. Neste episódio, o Esposo da estudante Elisa Manuel, contactou o Director da escola, “Padre Kalombe e, este chegou a concordar com a posição dos demais professores ao dizer que a única solução deste problema é passar uma transferência à estudante Elisa para que procure-se outra Escola. Apesar de não conseguir uma vaga noutra escola, Elisa já solicitou a referida transferência, depositando 2000 mil Kwanzas de monumentos.

O Ano lectivo/2018, encontra-se ao fim e tudo indica que Elisa á não poderá encontrar vaga em nenhuma escola, já que no Uíge existem apenas duas de Escolas de Formação de Professores do Ensino Médio, uma delas a ADPP (com regime de internato), as demais são de Formação geral.

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

2 Comments

  1. Aqui temos a prova, quando falamos que esses diabos estão aqui com o único objectivo de ALIENAÇÃO MENTAL, alguns dúvidam,as escolinhas, hospitalinhas que construíram é simplesmente para apoiar essa actividade de ALIENAÇÃO MENTAL. Acordam, os nossos antepassados conheciam o DEUS todo poderoso, é para esse mesmo DEUS que temos de retroceder. Ingeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*