Município da Damba aposta na aquicultura

Por Valter Gómes

Dezenas de empreendedores que desenvolvem vários projectos no município da Damba, na província do Uíge, estão a investir na pecuária, para o repovoamento animal na região, bem como na aquicultura, para a criação de peixe cacusso e bagre.

O objectivo é desenvolver a produção local de carne e peixe, com maior qualidade, e reforçar a auto-suficiência alimentar.

Ninga Miranda Lourenço, um dos empreendedores no ramo da agricultura, há 15 anos, disse ao Jornal de Angola que tem vindo a produzir a mandioca, ginguba, feijão, milho, abacaxi, batata doce e hortícolas em grande escala, mas, desde o ano passado, as atenções estão viradas para a pecuária e a aquicultura.
“A criação de gado bovino, caprino, suíno e aves é a nossa maior aposta nesta altura. Mais de 50 cabeças de gado bovino e cinco mil aves já estão disponíveis na região para a comercialização, a meta é atingir mais de 400 mil cabeças de gado”, disse, acrescentando que a sua empresa vai também, nos próximos dias, produzir grandes quantidades de cereais e ração animal.

Além da pecuária, disse, a sua empresa, denominada NIMIF LDA, está apostada na criação de peixe, com mais de 25 mil peixes cacusso e bagre distribuídos em quatro tanques, prontos para o consumo.

Desde o princípio do ano, o empreendedor abastece peixe nos mercados locais e na sede da província do Uíge. Ninga Miranda explicou que trabalha com dez homens, mas a tendência é aumentar este número, para reforçar a produção. Nesta época agrícola, a empresa NIMIF LDA já trabalhou em mais de 25 hectares e, até ao fim da época, pretende trabalhar mais 50 hectares, para a plantação de produtos diversos.

A produção de alimentos e a criação de peixe está a ser feita na localidade de Madimba, mais de 130 quilómetros da sede do município. A localidade de Madimba, desde a época colonial, é uma zona estratégica do município da Damba em termos da produção agrícola, pecuária, aquicultura, bem como no desenvolvimento de outros projectos que visam o bem estar das famílias.

Massissa Francisco, de 56 anos, outra empreendedora no ramo da aquicultura, disse que tem 12 tanques e em cada um deles foram criados quatro mil peixes.
A procura tem sido maior, facto que está a incentivar a empresa a aumentar o nível de produção.

Quatro trabalhadores asseguram as actividades de criação e comercialização do peixe. “Queremos maior abertura no acesso ao crédito, para que possamos desenvolver mais projectos e oferecer aos jovens mais emprego, contribuindo no bem estar das famílias”.

Massissa Francisco apontou a falta de energia eléctrica que permita o funcionamento de câmaras frigoríficas para a conservação do peixe e a falta de financiamento como as maiores dificuldades que vários empreendedores enfrentam no município da Damba.

Produção agrícola

O chefe da Estação Municipal de Desenvolvimento Agrário, Basílio Nunes, disse que a produção agrícola no município da Damba está no bom caminho e os camponeses estão totalmente motivados no aumento da produção, uma vez que as condições climáticas e da terra são favoráveis.

Mais de 150 associações e oito cooperativas agro-pecuárias estão distribuídas nas comunas e na sede do município da Damba, que produzem em grande escala a mandioca, banana, batata-doce, gergelim, feijão, milho, ginguba, hortícolas e outros produtos alimentares. “Nos últimos anos nota-se também grande interesse dos camponeses na criação do gado bovino e no desenvolvimento da aquicultura. Estão controlados na região mais de 50 tanques de peixe, sobretudo cacuso e bagre. O aquicultores mostram-se satisfeitos com os rendimentos, tendo em conta que a população da Bamba, nessa altura, consome o peixe produzido localmente”, disse.

Basílio Nunes apontou a falta de máquinas de lavoura, crédito agrícola, instrumentos de trabalho, como enxadas, catanas, limas, machados, motobombas e regadores, como as principais dificuldades que os camponeses da região enfrentam.

Referiu que a Estação de Desenvolvimento Agrário na Damba, na sua linha de acção, tem vindo a prestar assistência técnica aos camponeses organizados em associações, cooperativas e pequenos agricultores.

Localizado a 197 quilómetros da sede da província do Uíge, o município da Damba é composto por quatro comunas, 312 aldeias, com uma população estimada em mais de 175 mil habitantes, na sua maioria camponeses. Na região decorrem diversas acções de impacto social, para mlhorar o nível de vida.

Via JA

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*