Angola agradece contributo do Congo

Ministra da Cultura Carolina Cerqueira é recebida hoje pelo Presidente do Gabão Fotografia: Domingos Cadência | Edições Novembro

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, agradeceu ontem a contribuição e os apoios institucionais que a República do Congo prestou a Angola durante o processo de preparação e promoção da candidatura para a inscrição do Centro Histórico de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial da UNESCO.

Os agradecimentos constam de uma mensagem do Presidente José Eduardo dos Santos entregue ontem, em Brazzaville, ao seu homólogo congolês Denis Sassou Nguesso, pela ministra da Cultura Carolina Cerqueira.

A antiga capital do Reino do Kongo abrangia, além de Angola, a República Democrática do Congo, o Congo Brazzaville e o Gabão.

A ministra da Cultura faz-se acompanhar nesta missão pelo secretário de Estado das Relações Exteriores Manuel Augusto, pelo embaixador de Angola na República do Congo Pedro Mavunza, pelo embaixador delegado permanente de Angola Junto da UNESCO Sita José, e por quadros seniores do seu pelouro.
Hoje, a ministra Carolina Cerqueira é recebida em audiência, em Libreville, pelo Presidente do Gabão, Ali Bongo, com o mesmo propósito. A visita da comitiva angolana a Brazzaville e Libreville enquadra-se no reforço da diplomacia cultural que o Executivo angolano está a realizar para a valorização da cultura nacional a nível regional e internacional.

O Centro Histórico de Mbanza Kongo foi classificado como Património da Humanidade no dia 8 de Julho deste ano, em Cracóvia, Polónia, durante a 41.ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO. O projecto de inscrição da cidade na lista da UNESCO, denominado “Mbanza Kongo, Cidade a Desenterrar para Preservar”, foi lançado em Setembro de 2007, com a realização da II Mesa Redonda Internacional.

Desde a fundação do Reino do Kongo, no século XIII, a cidade de Mbanza Kongo foi a capital, o centro político, económico, social e cultural, sede do Rei, a sua corte e centro das decisões.

Mbanza Congo foi no século XVII a maior vila da costa ocidental da África Central, com uma densidade populacional de 40 mil habitantes autóctones e quatro mil europeus.

Ganhos da paz

Munícipes de Mbanza Congo, capital da província do Zaire, afirmaram que a escolha da cidade a Património Mundial da UNESCO, só foi possível graças à paz efectiva que o país desfruta há 15 anos.
Em declarações à imprensa, os munícipes da antiga capital do Reino do Kongo reconhecem o valor excepcional do património histórico e cultural da região que norteou a sua inscrição na lista dos bens e sítios reconhecidos universalmente.

Para o estudante universitário Tekadiasala Sebastião, com a guerra era quase impossível pensar-se no projecto. “Na altura, todas as atenções estavam viradas para as questões ligadas ao conflito armado, por isso era quase impensável projectar a candidatura de Mbanza Congo, num ambiente de guerra”, sublinhou Tekadiasala Sebastião que aguarda a inscrição com muita expectativa.

“Penso que houve um engajamento total do Executivo desde o lançamento do projecto denominado “Mbanza Congo, Cidade a Desenterrar para Preservar”, em 2007, disse, para salientar que a escolha diz respeito a todos os angolanos e não apenas aos habitantes da província do Zaire.

Na opinião de Ana Diabua, o turismo cultural vai sair revitalizado com a elevação de Mbanza Congo a Património Mundial, facto que vai impulsionar o desenvolvimento local, com o fomento da indústria de hotelaria e restauração, assim como gerar empregos e rendas.

As inscrições para a lista do Património Mundial deste ano, em que Angola inscriveu o Centro Histórico de Mbanza Kongo, foram no total 34 sítios, incluincluindo sete naturais, 26 culturais e um misto.
Os membros apreciaram o estado de conservação de 99 sítios do Património Mundial e de 55 sítios inscritos na lista de Património Mundial em Perigo, dos quais foram retirados dois sítios africanos: os parques nacionais do Simien (Etiópia) e de Camoé (Costa do Marfim).

Angola é membro do Comité do Património Mundial da UNESCO para um mandato de quatro anos desde Novembro de 2015. A eleição ocorreu na 20.ª Assembleia Geral dos Estados Partes à Convenção do Património Mundial realizada em Paris.

Via J.A

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*