Nomeação satisfaz o Gabão e o Congo

Presidente do Gabão recebeu delegação angolana Fotografia: Angop

Os chefes de Estado do Gabão, Ali Bongo, e da República do Congo, Denis Sassou Nguesso, congratularam-se com a inclusão de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial Cultural da UNESCO e manifestaram interesse em reforçar a cooperação com Angola no sector cultural, no âmbito das excelentes relações de amizade e de cooperação.

A informação foi avançada ontem pela Angop, citando a ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, no final de um périplo pelos dois países da África Central, na qualidade de enviada especial do Presidente José Eduardo dos Santos. Segundo a ministra, os dois Presidentes congratularam-se com a inclusão de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial Cultural da UNESCO, por representar prestígio não só para a África Central mas também para o continente, devido ao seu rico património.

Os dois estadistas, disse, manifestaram o interesse em reforçar a cooperação para a conservação e promoção da memória material e imaterial do antigo Reino do Kongo, um dos mais organizados antes da chegada dos europeus ao continente africano.

Nas mensagens, o Presidente José Eduardo dos Santos agradece os seus homólogos pela contribuição e apoio institucional prestado a Angola durante o processo de preparação e promoção da candidatura para a inscrição do Centro Histórico de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial da UNESCO.

Neste périplo, a ministra da Cultura fez-se acompanhar pelo secretário de Estado das Relações Exteriores, Manuel Augusto, o embaixador de Angola acreditado na República do Congo, Pedro Mavunza, o embaixador delegado permanente de Angola na UNESCO, Sita José, entre outros responsáveis.

O Centro Histórico da cidade de Mbanza Kongo, capital do antigo Reino do Kongo, que abrangia o antigo Zaire (actualmente República Democrática do Congo), o Congo Brazzaville e o Gabão, foi incluído na lista do Património Mundial, durante a 41.ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO, realizada em Cracóvia (Polónia).

Via JA

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*