Município de Kimbele precisa de enfermeiros

Por Joaquim Júnior

O município de Kimbele, na província do Uíge, necessita de, pelo menos, 300 técnicos médios de enfermagem  para garantir a assistência aos pacientes nas zonas rurais, de acordo com a directora local da Saúde.

Paula Cangango apelou à Direcção Provincial da Saúde no sentido de, no próximo concurso público, serem admitidos  técnicos médios de enfermagem para as áreas mais distantes das vilas.

Para a responsável municipal, os técnicos superiores e os médicos dificilmente aceitam ir às localidades longínquas, onde a população precisa de assistência sanitária permanente.

“O médico pode até deslocar-se às áreas longínquas, mas não fica lá muito tempo, os enfermeiros são os que lá permanecem”, disse.

Paula Cangango acrescentou  que o município precisa de médicos especializados, para se juntarem aos quatro de   clínica geral e 37 enfermeiros, que garantem assistência  à população de Quimbele,  que tem 129 mil habitantes, segundo o censo de 2014.

Paula Cangango anunciou  para breve a entrada em funcionamento do maior hospital de Kimbele, construído e equipado recentemente, pelo que  há  necessidade de aumentar  o número de médicos e de enfermeiros, além de pessoal auxiliar. Avançou que os quatro médicos e 37 enfermeiros efectivos e 20 contratados que o município tem,  neste momento, não conseguem  responder às necessidades dos pacientes que diariamente afluem às unidades sanitárias.
O hospital municipal tem capacidade para 100 camas,  mas precisa de 30 enfermeiros e seis médicos de diferentes especialidades,  para o  funcionamento  dos serviços que vão ser abertos ao público.

Jorge Pedro, director-geral do Hospital Municipal de Kimbele, reconheceu os avanços que o sector no município vai conhecendo, com a abertura de serviços especializados, mas lamentou   o reduzido número de médicos, salientando que trabalham no município três técnicos de Medicina Geral e um de Medicina Dentária, número que considera ínfimo.

“Temos sacrificado dia e noite os poucos técnicos que há.  Não é possível fazer o mesmo no novo hospital municipal de Kimbele devido à especificidade dos seus serviços. É um hospital que dispõe de três blocos operatórios e não temos nenhum médico cirurgião,  além de haver também falta de técnicos de laboratório, imagiologia, neonatologia e outros serviços  prestes a abrir”, alertou o director .

Via JA

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.