MÁRIO PINTO DE ANDRADE preparava-se para reivindicar o 15 de Março de 1961, em nome do MPLA

Em 1961, os dois principais direngentes dos movimentos nacionalistas angolanos, Holden Roberto, da UPA e Mário Pinto de Andrade, do MPLA.
Segundo Jonas Savimbi, na entrevista em “Jeune Afrique Economique – UNITA, Édition spécial” 1996, Holden Roberto foi o artesão principal da revolta dos angolanos no dia 15 de Março de 1961. Na visão do pai do “nacionalismo angolano”, a revolta consistiria em ocupação de fazendas ágricolas de colonos e alguns postos administrativos, para obrigar Portugal a conceder a independência de Angola, seguindo o exemplo da revolta dos congoleses de 4 de Janeiro de 1959, em que a actual RDC conheceu a liberdade, no 30 de Junho de 1960.

Os revoltosos no terreno, agastados pelos longos anos de humilhação, aproveitram a ocasião para massacar colonos civis indefesos, seus colaboradores e trabalhadores, cujas imagens horríveis foram utilizadas pelo regime colonial, para reduzir a revolta em simpels acções terroristas. As imagens vão percorrer o mundo inteiro, nos dias a seguir a revolta. Com o amplor do massacre, nenhum dirigente nacionalista angolano ousa reveindicar a insurreição, a começar pelo próprio Holden Roberto.

Mário Pinto de Andrade, presidente do MPLA, no momento da revolta do 15 de Março de 1961, encontrava-se em Léopoldville a trabalhar para a Casa Comercial “Nogueira”, propriedade de um português, cujo o nome da filha, foi utilizado como senha detonadora para o incio das hostilidades entre nacionalistas e o regime colonial, foi informado que a revolta atingiu os Dembos, a sua região natal, que seus próprios parentes estavam envolvidos no lado nacinalista.

 A semelhança que aconteceu no dia 4 de Fevereiro do mesmo ano, a UPA, por razões desconhecidas, continuava ainda muda, M.P de Andrade aproveita esse silêncio preparando um texto para reivindicar acção gloriosa dos membros do MPLA sob sua direcção, só que não encontrava a frase para justificar o massacre de civis indefesos ao serviço do regime colonial. Manda um telegrama ao seu amigo Amílcar Cabral solicitando ajuda, este por sua vêz contacta o Franz Fanon com o mesmo objectivo. Fanon que foi amigo do Holden Roberto, avisa-o sobre  eminência da reivindicação da Revolta em nome do MPLA, obrigando-o decalarar a UPA como autora de ravolta, “senão o MPLA” o faria!

 Com isso, Holden Roberto decide, enfim, reivindicar o 15 de Março de 1961, solicitando o Aníbal de Melo, no momento, membro da UPA, entre os que dominavam melhor a lingua portuguesa para eloborar o texto reivindicativo. O texto foi lido pelo Johnny Eduardo Pinnock, numa confêrencia da imprensa realizada no dia 20 de Março de 1961, em Léopoldville.

Frustado, o MPLA muda de postura, condena os massacres dos civis perpetrado pala UPA e nunca fêz referência do 15 de Março como a data do início da luta armada, reconheçendo há poucos anos, como data de expansão da luta armada e continua não ser considerado como feriado nacional.

 

Na conferência da imprensa realizada em Léopoldville, em Março de 1961, a UPA, com Johnny Pinnock e Aníbal. reivindica a inssureição de angolanos para libertar Angola.
Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.