Júnior Fila – “Não tenho dificuldade em interpretar Papy Tex, Koffi, Matias Damásio ou Kyaku Kyadaff”.

Luanda, fim de Julho de 2019, em pleno cacimbo, o Portal do Uíge e da Cultura Kongo foi convidado para assistir o espectáculo de Bouro Mpela, vocalista e danaçarino, antigo cúmplice de Koffi Olomide, colega de Fally Ipupa no agrupamento Quartier Latin.

O espectáculo aconteceu na esplanada JUAMOR do empresário, Júnior Amorim, situado nos arredores de Kimbangu, no bairro Sapú, município de Kilamba Kiaxi. Horas antes da actuação da cabeça do cartaz, um quarteto de artistas composto de 3 instrumentalistas e um vocalista, a cumprir o papel de “enlever le rideau”, enquanto os espectadores ocupavam lugares.

O quarteto interpreta com sucesso “Eau bénite” de Simarro Masiya, “Jordan” de Papy Tex, “Alimatu” de Franco, “Ultimatum” de Koffi, etc. O vocalista principal parecia ser a figura principal do quarteto. No intervalo do espectáculo, o wizi-kongo, aproximou-se dele para saber o seu nome, a sua carreira e as suas ambições.

Saudações ilustre artista, como te chamas?

Meu nome é Júnior Fila, sou vocalista e intérprete.

Sr. Fila, confirmámos que és um intérprete polivalente, de Franco até Olomide, passando pelo Papy Tex, mas não ouvimos canções da sua autoria. Não tens ainda obras musicais editadas como autor e compositor?

A maioria parte de carreiras de músicos começa pela interpretação de obras doutros artistas. Os artistas que eu interpreto, também interpretaram obras e sobretudo foram formados pelos outros que possuiam maturidades e experiência. Eu estou ainda no ghetto, aperfeiçoando-me, antes editar as minhas próprias obras que vão sair em tempos oportunos, em singles.

Se entendemos bem, vais editar primeiro em singles, a ideia de compilar as suas canções num álbum, não é para hoje?

Iniciei a minha carreira musical na RDC, onde fui com 5 anos de idade e voltei em Angola com 27 anos, evoluia num conjunto musical do “Maitre Djani” onde editei um maxi-single com três canções em 2006. Lá no Congo encontrei muitas dificuldades, não me permitiu evoulir no plano artístico, é por isso preferi voltar em Angola. Actualmente tenho duas canções do estilo rumba, já concluídas.

Falas que vivestes na RDC e Angola, podes nos dizer, exactamente qual é a sua nacionalidade?

Eu sou Angolano, puro Kampende-Kamulemba, na Lunda-Norte, chamo-me Fila Meta. O nome de Júnior é nome artitístico.

Já que voltastes na sua terra, Angola, porque não cantas em português ou na língua materna dos teus pais?

Apesar de falar a língua portuguesa ainda não estou habituado cantar com essa língua, mas possuo algumas composições. Os meus pais me ensinaram falar em Pende, canto também em Pende.

És Pende da Lunda-Norte?

Sim pertenço a tribo Pende da Lunda Norte.

Júnior Fila, tens um grupo com instrumentalistas e vocalistas experimentados, produzindo espectáculos de qualidade. Quem é o teu productor?

Neste momento faço produções atravêz da promotora cultural Jessica Kamesa, também faço a título privado, em certos bares, até já fui convidado pelo Paulo Tudilu onde participei, pela primeira vêz, num espectáculo musical em campo de futebol, ao ar livre. Mas de forma geral, não tenho produtor. Vivo de apoio de certos mais-velhos, amadores da música, que me convidam animar os aniversários e certas manifestações privadas.

Promotora cultural Jessica Kamesa “Choucha la lumière”. Imagem facebook/Jessica Kamesa

Falando do Paulo Tudilu, que é referência no que concerne a produção da música do estilo “Rumba” em Luanda. Porque não colabora com ele, de maneira permanente, na produção das tuas obras discográficas?

Paulo Tudilu já me produziu várias vezes em espectáculo, foi ele quem chamou-me de “Pequeno Pépé Kallé”, porque consigo imitar este gigante da rumba congolesa sem dificuldades. O dia que Papy Tex veio produzir em Angola, foi Paulo Tudilu que apresentou-me a ele.

Falando do Papy Tex, foi o artista que hoje, mais interpretastes as suas obras e outras de Empire Bakuba. Qual é a sua posição em relação a este conjunto mítico da música congolesa, que foi dirigido durante 25 anos pelo Pépé Kallé?

Eu nunca fui ninguém neste conjunto que é Empire Bakuba, nunca cantei ali. Quando Paulo Tudilu produziu o famoso Papy Tex aqui em Luanda, há 3 anos, pediu-me para acompanhar o Papy Tex em sua digressão. Foi uma imensa honra que o meu conjunto participou na produção de espectáculo deste grande artista africano.

Para acompanhar Papy Tex, em lugar de Empire Bakuba, o seu agrupamento, tem que ter muita experiência. Ele gostou da vossa prestação?

Papy Tex ficou muito impressionado com o nosso agrupamento, como imito o Pépé Kallé com perfeição, ele afirmou que não somos muitos com essa capacidade, é uma qualidade muito rara. Aconselhou-me de conservar essa vôz, que é património da cultura musical africana.

Então Papy Tex deixou-te como representante do Empire Bakuba em Angola?

Não. Eu não disse isso. Eu interpreto obras do Empire Bakuba, ele reconheceu o nosso valor.

Então podemos afirmar que o seu conjunto é a encarnação do Empire Bakuba em Luanda, de maneira que,  podes acompanhar todos antigos artistas deste agrupamento, em passagem em Angola, como Bileku Mpasi “Djuna Mumbafu Big-One”, residente na Inglaterra?

Djuna Mumbafu e tantos outros músicos do Empire Bakuba, que abraçaram a carreira solo, podem nos contactar se estão de passagem em Luanda. Não me refiro somente aos músicos do Empire Bakuba, mas de todos músicos da Rumba congolesa. O meu conjunto domina o reportório de quase da maioria dos agrupamentos e artistas que fizeram sucesso nos Congos. Você próprio assitiu as nossas interpretações de canções de Madilu, Lutumba, Koffi, Papy Tex e Pépé Kallé.

Acompanhas somente músicos da Rumba Congolesa, outros rítmos não te interessam? 

Sou amante deste rítmo, os tocam que o Afro-Music me perdoam. Aliás, a Rumba já perdeu o valor que tinha antes, nos temos do Franco, Tabu-ley, Zaiko, Viva la Musica e Victoria. Faço parte dos artistas que procuram valorizar este rítmo. Mesmo aqui em Angola, apesar de tudo, temos muitos consumidores deste rítmo, quando sou convidado em vários lugares de espectáculos, como aqui no Juamar, na Nganda Mónica ou ainda na Petrangol. Muitos melómanos ficam satisfeitos com o nosso trabalho, alguns choram de nostalgia.

E os rítmos angolanos como Semba e Kizomba, não te interessam?

Porque não? Vivo em Angola, interpretámos tanmbém os rítmos em vigor no pais. Em vários lugares onde produzimos, certos clientes pedem interpretações de Matias Damásio ou de Kyaku Kyaddaf, entre outros. Eu não tenho problemas de interpretar Papy Tex, Koffi, Matias Damásio ou Kyaku Kyadaff. Compreendes o que eu quero dizer?

Desculpa a nossa insistência, voce é conhecido sómente aqui no Palanca ou na Petrangol, em Luanda és ainda um desconhecido, apesar do seu imenso talento. Não é porque só tocas a rumba congolesa, que não te permite sair no ghetto que se encontra?

O que eu saíba, Mabor, Palanca, Sapú ou Petrangol são bairros de Luanda. Luanda não se encontra dividida. O que se devia me criticar é a falta de promoção noutros bairros. Rumba Congolesa é bem apreciada em Luanda tanto como Kizomba, Kuduro ou Semba. Posso muito bem triunfar em Luanda, mesmo em toda Angola, tocando a rumba, se houver uma boa promoção. O kota Luciana Mobulu conheceu sucesso aqui em Angola, cantando a Rumba congolesa. A música é universal, não tem fronteiras. Os que tocam Reggae, Jazz ou outro rítmo encontram sempre adeptos em Luanda, é uma questão de gosto. Mesmo um dia, se eu chegar editar músicas em português, serão no estilo da Rumba congolesa.

Obrigado Sr. Junior Fila,  para despedirmos, qual é a sua última palavra ?

Eu que vos agradeço, o tempo que me consagraram. Gostaria todos, adeptos, productores ou promotores que desejam entrar em contacto com o nosso grupo, podem solicitar no meu perfil do facebook com nomee de Jm Fila Fila.

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.