Rumba: podemos registrá-la, pela segunda vêz, no patrimônio cultural da UNESCO?

Por Clément Ossinonde

 

 

 

 

 

No entanto, a Rumba cubana foi consagrada numa quarta-feira, dia 30 de novembro de 2016, como “Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade” por uma decisão do comité “ad hoc” da reunião da Unesco em Adis Abeba (Etiópia).

Por que a rumba cubana e não a rumba congolesa?

Parece que os ministros da cultura da RDC, Congo-Brazzaville e Angola não concordaram-se, por razões muito egoístas, perdendo um longo tempo para apresentar um dossiê comum, que teria permitido a UNESCO decidir racionalmente.

Podemos dizer que Cuba triunfou sobre a Bacia do Congo (Congo, RDC, Angola), reivindicando a autoria de Rumba. No entanto, alguns meses antes, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência ea Cultura (UNESCO) havia concordado em iniciar o processo de classificação da rumba como patrimônio intangível da humanidade. O director e representante da Unesco na RDC, Abdouramane Diallo, anunciou no dia 5 de maio de 2016 em Kinshasa:

“O processo está em andamento para que a rumba seja registrada como um elemento intangível a nível regional. A RDC, o Congo-Brazzaville e até Angola, introduzirão e submeterão a candidatura da rumba, como um elemento intangível da herança da humanidade “, disse Abdouramane Diallo, na entrevista coletiva semanal das Nações Unidas.

O director da UNESCO na RDC disse que o dossiê de classificação da rumba como patrimônio mundial é apoiado por vários países, incluindo os da América Latina.

“Estamos no caminho certo, há apenas um exercício técnico que deve ser feito aqui pelo Ministro da Cultura. Trata-se de fazer inventários, começando com um exercício de inventário e depois o processo continuará “, acrescentou Abdouramane Diallo.

Nkumba ou Rumba?

De fato, Rumba vem da dança “Nkumba” (a dança do umbigo) no Reino de Kongo. Nasceu em CUBA, com os pais “KONGO” (do Reino de Kongo: Congo e Angola).

Depois de chegar a Cuba no século XV pelo comércio de escravos, a dança “Nkumba”, de acordo com o alfabeto fonético espanhol, passará a ser chamada de “Rumba”. Desde sua evolução em Cuba, três tendências: Columbia, Guanguanco e Yambu, conhecerão, a partir de 1932, uma influência internacional (América Europa).

O Congo, através da Europa, assumiu o controlo na década de 1930 para um retorno ao básico. Por mais de quatro gerações, a rumba congolesa próxima à tendência “Yambu” (“yambula” em Kongo) se estabeleceu permanentemente.

A rumba congolesa é um estilo musical rico em diversidade de temas que inspiram canções congolesas. Cantada em Lingala, o ritmo da “rumba” é contado em 4 etapas. O passo básico é dar um passo em cada uma das 3 primeiras batidas e uma suspensão na última batida. São necessárias duas medidas para fazer uma caixa completa.

Agora a verdadeira Rumba é cubana!

A Rumba cubana é carimbada desde a citada quarta-feira, 30 de novembro de 2016, patrimônio cultural imaterial da humanidade, tornando-se uma tradição digna de proteção.

Cuba defendia a inscrição da rumba “mistura festiva de música e dança”, “símbolo de uma sociedade marginalizada em Cuba”. “A rumba em Cuba, com suas canções, movimentos, gestos e música, é uma expressão de resistência e auto-estima que também evoca graça, sensualidade e a alegria de reunir as pessoas”, resume o comunicado de imprensa. A delegação cubana em Addis Abeba indicou dedicar esta inscrição à memória do líder da revolução cubana Fidel Castro, falecido em 25 de novembro de 2016

Enfim, Rumba tem origem africana (Kongo)

A música e os movimentos da rumba em Cuba estão principalmente associados à cultura africana (Kongo), mas também incluem elementos da cultura das Índias Ocidentais e do flamenco espanhol. A rumba em Cuba decolou nos bairros marginalizados de várias cidades cubanas, como Havana e Matanzas, perto de outros portos e favelas, e tornou-se particularmente popular nas áreas rurais onde as comunidades escravas africanas (Kongo) viviam.

Conhecendo uma expansão de oeste para leste no território, a rumba tem sido um símbolo importante de uma camada marginalizada da sociedade cubana e da identidade cubana; expressa auto-estima e resistência e contribui para a influência social, enriquecendo a vida das comunidades que a praticam.

Note-se que o Comité para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, que se reuniu de 28 de novembro a 2 de dezembro de 2016 na Etiópia, examinou 37 arquivos relacionados a diferentes tipos de patrimônio vivo (dança, música, gastronomia, festivais ou festivais …) ).

Por fim, lembremos que a RDC (República Democrática do Congo) trabalha há vários meses no arquivo e possivelmente associará os dois a países do Reino de Kongo (Congo-Brazzaville, Angola e possivelmente Gabão) para a ação a ser tomada.

Fonte: pagesafrik.info/wizi-kongo (tradução)

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.