Administradora Delfina Henrique transforma Púri em “casa da mãe Joana”

Por Jeremias Kaboco

Uíge, 26/06 (Wizi-Kongo) – A administradora do município do Púri, 88 quilómetros a nordeste da sede da cidade do Uíge, Delfina António Henrique, transformou esse município em “casa da mãe Joana”, ou seja, reina no Púri um total nepotismo e outras práticas nocivas no exercício do erário público, a exemplo, apoderou-se da gestão do hospital municipal, da direcção da saúde municipal, igualmente, da direcção municipal da educação.

A empresa da administradora Delfina Henrique, Katotila e outras, como também a empresa FAA (Alberto Fernando Augusto), do amigo pessoal do secretário da administração municipal, Tomás Bembica, têm servido para facilitar o desvio das verbas consignadas especiais (bens e serviços e das receitas locais), destacou na sua intervenção, hoje, sexta-feira, na vila do Púri, ao Wizi-Kongo, um munícipe que proferiu não citar o seu nome para evitar sofrer retalhões. Aqui a Delfina Henrique “manda em tudo ao seu belo prazer”, lembrou.

Sublinhando que, Delfina Henrique, para melhor sugar o dinheiro púbico deste município, ela, controla a gestão financeira dos sectores da educação, saúde e da própria administração, com as suas empresas e as de seus aliados, deixando, por isso, indignado os munícipes e os próprios militantes do seu partido MPLA, que se sentem perseguidos pela mesma, porque no município vive-se um clima de medo.

“No município vive-se um clima de medo, porque a administradora várias vezes afirmou que quem cruzar o seu caminho, pode pagar com a própria vida, muitos quadros do município foram solicitados para serem nomeados, mas negaram, tendo em conta da atitude da senhora, por isso, os munícipes, pedem ao governador provincial, que faça um inquérito sobre a gestão do município”, referiu o entrevistado com um semblante de desgasto mental em volta do descontentamento da administradora, Delfina António Henrique.

Ela joga sujo, observou, através das influências que possui junto dos órgão de comunicação social do estado, consegue enganar todos, fazendo passar uma imagem falsa sobre o município, por isso, convida-se os órgão de direito que façam um inquérito sobre a gestão do município, “verão no que vai dar”.

Um dos 16 municípios que compõe a província do Uíge, Púri, situado a 88 quilómetros a nordeste da cidade do Uíge, sede capital da província com o mesmo nome, controla no seu espaço geográfico, 35 mil e 492 habitantes (censo de 2014), distribuídos em 65 povoações. A semelhança do Bungo e Uíge, Púri, não possui comuna.

Comentário

1 Comment

  1. Tudo o que aqui está é falso. A empresa é minha e nunca da Senhora Administradora. Constitui-a em 2014. Eu nem conhecia essa senhora. O que eu faço como empresário é visível, na centralidade do Kilumoso, no Mucaba, Kangola e demais investimentos fora do Uíge. É preciso publicar-se também aqui o contraditório. Eu não preciso de desviar fundos de ninguém; tudo o que faço tem a ver com o meu poder de luta, como académico de grande gabarito e como empresário.
    Não publiquem textos de alguém, que, no momento da fala, terá estado com fome, frustração ou perturbações mentais.
    Nunca fui, não sou da confiança da administradora enquanto pessoa, apenas como empresário que sabe trabalhar.
    Essa província não cresce quando se junta a inveja dos que não conseguem dos que conseguem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.