Degradação de estradas dificulta circulação no município de Milunga

Uíge – O administrador municipal em exercício do Milunga, a 227 quilómetros a nordeste da cidade do Uíge, José Castigo, apontou a degradação das estradas como o maior obstáculo para a circulação de pessoas e mercadorias na circunscrição.

Falando à Angop, José Castigo disse que na estrada Macocola/sede do município Milunga, muitas ravinas de grande dimensão ameaçam cortar a via.

“A via Milunga/Macocola tinha sido reabilitada há dois anos, mas a falta de valas de drenagem originou a abertura de ravinas ao longo da mesma”, adiantou o administrador em exercício, acrescentando que a administração local não tem possibilidades para corrigir a situação.

A circulação é muito difícil, frisou, e é eminente o corte da circulação na próxima chuva sobretudo no morro Kiala Cassassa.

Para José Castigo, desde o fim de Dezembro de 2017 e principio do mês de Janeiro deste ano, que o rio Nkuho tambem dividiu-se em dois leitos, impossibilitando a circulação para a orla fronteiriça de Macolo e Massau.

Como referiu, a população tem muitas dificuldades para a obtenção de produtos de primeira necessidade, exemplificando que, em consequência da situação, o quilograma de sal e açúcar estão a ser comercializado a mil kwanzas.

A ligação entre as duas comunas é feita através de canoas de fabrico artesanal, que custa cinco mil Kwanzas por pessoa, sem contar a tarifa da carga.

Devido a degradação da estrada, sublinhou, a passagem de motorizada (único meio utilizado actualmente para ir às comunas de Macolo e Massau) está no valor de dez mil Kwanzas.

Via Angop

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.