Songo: PN frustra tentativa de violação do espaço angolano

Por Alfredo Dikwiza

Uíge, 23/04 (Wizi-Kongo) – Uma cidadã da República Democrática do Congo (RDC), que responde pelo nome de Lamama Alfonsine Kaka, de 25 anos de idade, foi detida nesta quarta-feira, (22) pela Polícia Nacional do município do Songo, 40 quilómetros a norte da cidade do Uíge, e, concomitantemente, colocada em quarentena institucional na sede desta vila.

Nesta quarta-feira (22), uma equipa afecta a saúde pública saiu do Uíge/Songo com objectivo de recolher as amostras, que, depois serão encaminhadas para Luanda. No Songo, os especialistas da saúde pública mantiveram contacto com a referida cidadã e cumpriram com os requisitos baixados superiormente, sabendo que tal como Angola, a vizinha República Democrática do Congo, igualmente, em seu solo regista casos positivos de Covid-19.

A mesma, foi detida face a vigilância e operacionalidade das forças da ordem que bem sabem cumprir com a defesa do solo pátrio. Depois que de detida, aquela cidadã da RDC finge ser uma pessoa anormal, uma jogada de mau gosto para ludibriar as autoridades angolanas, que, há tempo são treinados para casos de género, por isso, a mesma assumiu ser congolesa e veio por caminhos “fiotes” para se escapar da polícia com o objectivo de chegar até a capital do país, Luanda, alvo habitual dos cidadãos da RDC.

Neste momento, segundo, apurou hoje, quinta-feira, o Wizi-Kongo, na sede do Songo, a mesma cidadã está quarentada numa escola da sede municipal. Nesta escola onde se encontra a compatriota de Faly Pupa, foram montadas três camas devidamente equipadas. Igualmente, a equipa do Wizi-Kongo, apurou que estão também devidamente garantidas as questões relacionadas com a logística, assim como o equipamento de biossegurança.

Enquanto durar a quarentena, a congolesa irá permanecer na sede do município do Songo e, depois, as forças da ordem irão encaminha-la para cidade do Uíge, concretamente, aos seus colegas dos Serviços de Migração e Estrangeira, para por via legal ser devolvida ao país de origem.

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.