André Ndomikalay Masaki, “o órfão de coração ferido”, antigo presidente da FNLA

 

André Massaki teve uma vida agitada, como os que o conheceram, dizem. Na verdade, ele era um jornalista-repórter, chefe de uma editora e, ao mesmo tempo, Pastor e onselheiro matrimonial, sem contar sua participação activa na vida política do seu país, Angola. Embora exilado no Congo, ele continuou despertar a consciência de seus compatriotas, não só Congo, mas também em Angola, através de vários escritos. O amor da paz e da justiça sempre o acompanhou, tanto na política como na vida religiosa. Voltemos um pouco na infância deste homem que em vida foi chamado Papa Masaki, para o  respeito da sua experiência na vida cristã, porque é este aspecto que nos interessa.

  1. –  André Massaki foi um órfão que perdeu seus pais e a sua única irmã, com a idade de 6 anos. Seus pais eram da província do Uíge, em Angola. Nasceu no dia 25 de fevereiro de 1923, na aldeia de Kikaka, no município de  Makeela do Zombo. Andre  Massaki teve uma infância difícil, porque seus pais não eram ricos, como em todas as aldeias ao redor, tinham que trabalhar muito duro, para sobreviverem. André Massaki era a única criança sobrevivente após as mortes sucessivas de seus irmãos e irmãs que ele conta no seu livro intitulado “Mwana nsiona” em Kikongo,  o que pode traduzir na línga portuguesa como “O órfão com coração ferido”, publicado em 1972, nas edições CEDI em Kinshasa. Seu pai depois de passar vários anos na aldeia, e para escapar do trabalho forçado exigido pelo regime colonial português, decidiu emigrar para Congo Kinshasa, seguindo outros aldeões que procurava melhores condições de vida naquele país visinho no norte de Angola. Infelizmente não vai ficar muito tempo, e morreu após uma longa doença e escassez de cuidados eficazes. Sua mãe, que perdeu sua irmã mais nova, ao mesmo tempo, durante uma punição de chicotada na praça pública, adoeceu e morreu. André Massaki assistiu a esta horrível cena, em que sua mãe foi torturada pela polícia, com a criança que ela levava nas costas. Assim, ele perdeu a sua irmã, diante de seus olhos. E esta cena afetado-lhe muito. Ele próprio foi vítima também de trabalho forçado. Com efeito, sua tia materna não tinha mais ninguém para enviar fazer as tarefas exigidas pelo regime, colonial tinha que enviar o jovem André contra a sua vontade. Este último aceitou de bom grado, apesar da sua juventude para fazer as tarefas, para a paz de sua tia. Mais tarde, ele vai fazer a sua própria conta. Andre  Masaki tornou-se, assim, um órfão e foi com seu tio para a cidade de Matadi no Congo Belga, fugindo dessa vida tão difícil. Ele permanecerá no Congo Belga por 43 anos! Será no  Baixo-Congo( ex Kongo-Central) que ele pude fazer a sua educação primária e secundária, sempre foi atraído por estudos. Antes de ir para a escola, ele já tinha aprendido a ler e escrever escrever no chão, aprendendo com aqueles que entraram na escola antes dele. Então ele fêz o ensino primário e preparatório de 1932-1937, em a Missão Sueca (SMF) em Matadi. De 1937 a 1940, ele fêz educação secundária na Secção Educacional na Missão Baptista (BMS) de  Ngombe Lutete, há 60 KM de Mbanza-Ngungu, em Bas-Congo.

Ele foi batizado em 4 de Dezembro de 1932 em Matadi por missionários da Missão Sueca. Isso aconteceu durante um sermão pregado por um missionário que veio na Missão Baptista (BMS). O verso da Bíblia que captivou o jovem Masaaki é este: “Felizes são tristes porque com Deus serão consolados” (Mateus 5: 4). Sua mãe sempre foi uma mulher piedosa e sábia, influenciou muito André Massaki que foi sempre atraído pela justiça. Sua mãe que se chamava Mavivana, portanto, portanto antes de morrer, ela disse em seu leito de morte: “Nada de mau vai te acontecer, porque Deus Todos Poderoso, vai cuidar de você e dar-lhe uma vida longa “.

2.  – Adolescência de  Andre Massaki aconteceu em Matadi, onde continuou seus estudos secundária para a missão Batista (B.MS) para Ngombe Lutete de 1937 a 1939. Ainda em BMS, ele continuou seus estudos de professor de escola primária. Depois de três anos experiência como professor 1940-1943, na Sociedade Missionária Batista no Ngombe Lutete e a Missão Sueco (Svenska Förbundet Mission) em Matadi, ele entrou na vida profissional por coincidência, que os responsáveis da companhia ferroviária estavão procurando uma pessoa de integridade para gerir, um vagão-restaurante na linha de Matadi-Kinsahsa. E André Massaki foi recomendado para este trabalho e depois de aprovar numa entrevista de emprego. Assim de 1943-1945, André Masaki foi quadro do Escritório de Transporte Colonial no Congo Belga (Otraco).

3. –  André Massaki casou com Ntatani Madeleine, filha de um grande comerciante, Mingiedi Mbala, no 02 de julho de 1944, em Matadi. Embora ele era muito tímido, explicando que a manutenção de uma mulher não foi fácil e ele tinha que ter um monte de dinheiro, ele foi convencido por sua tia. Assim, a mulher de seu tio encoraja-o a tomar uma mulher, explicando que uma mulher ao seu lado dele pode
trazer mais do que a tia poderia trazer. Sendo muito órfão, sua tia queria que ele encontrasse uma esposa, antes de sua morte. Seis anos após o seu casamento, a tia morreu. Enquanto isso, ele teve várias experiências de trabalho como chefe do vagão-restaurante na linha ferroviária Matadi-Kinshasa em 1943 e 1945, em seguida foi gerente de depósito de petróleo na empresa  Ango-Ango baseada em Matadi de 1945 à 1950. Mas tarde tornou-se um funcionário e périto da Beltexco, empresa têxtil belga de 1950 a 1952. De 1952-1956, o seu sogro Mingiedi Mbala responsabilizou-o como administrador de seus bens  devido a sua integridade e conhecimento.

André Massaki sempre foi atraído pelos estudos, portanto, continuou aprender, apesar de suas várias funções. De 1956 a 1959, depois de deixar, deliberadamente, trabalhar para o sogro, ele abriu um escritório de secretariado público, com a intenção de lidar com assuntos públicos. As autoridades coloniais belgas, deram-lhe  permissão, depois de uma competição brilhantemente bem sucedida. Assim, ele tornou-se o intermediário entre os africanos e as autoridades coloniais belgas. Este trabalho era de escrever muitas cartas às autoridades belgas no que toca assuntos campos comerciais e judiciais. Os comerciantes também vinha ter com ele muitas vezes, para fazer seu inventário e contabilidade. Enquanto isso, ele trabalha como jornalista  na edições “ENVOL”, dirigida pela sociedade literária Africana, em três línguas, francesa (OFF) o vesion Lingala (Oyebi) e versão kikongo (sikama). Em seguida na redacção do jornal “vida” como editor-chefe, jornal que foi publicado em Kikongo, de 1963 a 1973. A partir 1973-1975, André Massaki foi chefe do departamento de edições CEDI (Centro e distribuição de literatura cristã) em Kinshasa. No final de 1975, André Massaki e sua família foram para se estabelecer no Quênia, onde foi coordenador da Living Bíblia para África francófona e Madagascar (organização cristã americana formação de jovens e lidar com a tradução da Bíblia) depois de seguir curso no Instituto Internacional de comunicações cristãos, para estudos técnicas de comunicação e tradução da Bíblia Cristã. Ocupou-se portanto da tradução das Sagradas Escrituras até 1981. Durante esse tempo, André Massaki foi convidado para vários seminários e conferências. Para citar alguns, ele participou da reunião Pan-Africano de líderes cristãos (ELIP), realizada em Nairobi, Quênia, de 09-20 dezembro 1976 com o assunto intervenção “Christian e conflito armado.” De 8 a 13 de maio de 1978, em Blantyre, Malawi, ele participou na conferência “A África Love” (amor África) com a cerca de “carregar os pesos de meu irmão.” Esta conferência foi organizada pela organização “Portas Abertas” do Irmão André Holland. Também interveio em Abidjan em traduções ao vivo das escrituras, em uma conferência
Pan de todas as Sociedades Bíblicas, organizado pelo diretor de Wycliffe ” de 19 a 25 de Maio de 1978. Em meados de 1981, ele deixou o Quênia para Angola através Zaire . Em Luanda, ele se tornou diretor do Centro Evangélico documentação e disseminação de literatura cristã “CEDDIL” de FIAC (Conselho de Igrejas evangélica Angolano) de 1981 a 1986. Desde 1987, ele e sua esposa trabalharam como um conselheiro matrimonial no seio da organização familiar Ministério vida, em que foi director e representante em Angola. Desde a década de 1960, André Massaki e sua esposa Ntatani Madaleine foram responsáveis ​​pela educação familiar de homens jovens e mulheres, casais e jovens em toda a África.

A vida política de André Massaki

André Massaki sempre foi atraído pela justiça, foi o fundador do ASSOMIZO (Associação Mutual do Zombo), a associação tornou ALLIAZO (Aliança de refugiados do Zombo) fundada 23 de dezembro de 1956 e essa associação se tornará em partido político, P.D.A.  (Partido Democrático Angolano) que ele fundou. O PDA irá se fundir com a UPA Hoden Roberto para se tornar a F.N.L.A (Frente Nacional para a Libertação de Angola) em 27 de março de 1962. Sua convicção era a liberdade de seu povo.

Para ele, um povo não poderiam viver sem liberdade e sua luta foi, assim, para libertar o seu povo de jugo colonial português, o que ele próprio sofreu quando foi criança em Angola e cujo os sofrimentos estavam presentes em sua memória.  Ele ocupou o cargo de  ministro Educação de GRAE (Governo da FNLA no exílio).

A morte súbita de David Livromentos em outubro de 1962,  que foi o primeiro presidente da F.N.L.A,
André Massaki tornou-se Presidente do F.N.L.A até 12 de dezembro de 1972, o ano 1975 foi o último ano na política e depois dedicou-se à divulgação da mensagem de Jesus para dentro das igrejas e organizações cristãs. O próprio André Massaki disse que ele era um “Pacificador” e permanecerá para sempre não só durante os conflitos entre líderes angolanos de vários movimentos políticos, mas também entre todos os povos.

A vida de André Masaki, no interior das igrejas

Nas igrejas, André Massaki, que estudou literatura e linguas, estava particularmente interessado em
mensagem de Jesus e da liberdade dos povos. e como a comunicação passa através da linguagem, ele aprendeu o Inglês, em 1968, em Londres para David School, Inglaterra e perfeicionar o seu francês e o jornalismo no no Euro-centre em Lausanne et Genebra na Suisse. Foi também na Suíça, onde fez seus estudos teológicos no Instituto Bíblico Emaús. Desde 1975 André Massaki nunca  parou de usar as escrituras para não trabalhar apenas em igrejas, mas também como assessores com sua esposa em organização LWF Christian,em que eram representantes em Angola até fim de 1987. Muitos casais jovens lembram dos  seus bons conselhos de Kinshasa Congo, em Nairobi, no Quênia como Luanda, em Angola. Onde quer que ele viveu, a sua casa sempre foi um lugar acolhedor para estrangeiros ou amigos que ele tinha a intenção de ser pequeno e ouvir o tio durante a sua viagem a Matadi no Congo Belga. Desde seu casamento em 1944, o casal Masaki  nunca parou de espandir a palavra e prestar um bom conselho para jovens e idosos no espírito da evangelização, dando coselhos para casais na vida de casados. Eles sempre quiseram através da sua experiência de 66 anos de vida conjugal, testemunhar a outros irmãos, os benefícios da vida plena, tendo como educação cristã como base e Jesus Cristo como Salvador. Foi  nesse sentido, Ntatani Madalena, sua esposa, escreveu o livro “Eu sou um mulher casada “, que foi traduzido para em lingala, kikongo, kiswhahili e Inglês. Para André Massaki, outros escritos seguirão “o órfão no coração ferido”, incluindo:

– A vida no lar cristão (traduzido em duas línguas)
– Que raça é Deus (traduzido em quatro idiomas)
– Vida de Booker T Washington
– A vida de Disengomoka
– Cartas Vivas mama Ndona Madungu
– A verdadeira história do estabelecimento de igrejas Baptites norte
Angola.
– Terra, ouvir sua voz. Relatório feito após o Congresso Internacional para a Evangelização Mundial realizada em Lausanne, na Suíça, de 16 a 25 Julho 1974.
– Conselhos para o leitor.

Faleceu em Luanda, no dia 4 de Dezembro de 2013, com 90 anos de idade.

Fonte: www.luvila com

 

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*