Militantes da UNITA e PRS abandonam e ingressam no MPLA

Por António Capitão

 

 

 

 

 

Mais de 280 cidadãos que militavam na UNITA, FNLA e PRS na comuna do Lucunga, município do Bembe, na província do Uíge, abandonaram estas formações políticas e decidiram ingressar no MPLA por se sentirem traídos e por estas denominações partidárias não possuírem programas e políticas que garantam o bem-estar social, preservem a paz, reforçem a democracia e promovam a unidade e reconciliação nacional.

Os dissidentes da UNITA, FNLA e PRS manifestaram o desejo de ingressarem no MPLA durante o acto político de massas, orientando pelo primeiro secretário provincial do partido no poder no Uíge, Paulo Pombolo, na vila de Lucunga onde receberam uniformes e cartões de militantes. Paulo Soki, militante da UNITA há mais de 28 anos e, até a sua renúncia, ocupava o cargo de secretário municipal do partido do “Galo Negro” disse que ele e os demais militantes que dissidentes destas formações políticas já não se revêem nos seus ideais ideológicos, políticas, falsos programas e falácias. “Estive mais de 28 anos fiel á UNITA e até agora tenho apenas memórias de aldrabisses, tribalismo, regionalismo, incitamento à violência e a desordem. Por livre vontade decidi abraçar ao rumo certo no MPLA por ser um partido que aposta na unificação dos povos angolanos e se dedica para a melhoria das nossas condições de vida”, disse.

Paulo Pombolo desejou boas vindas aos novos militantes e exortou que sejam membros coesos e cativos do MPLA e que contribuam na mobilização de mais eleitores para o partido vença as eleições gerais de 23 de Agosto e continue com os programas de reabilitação e asfaltagem da estrada Uíge-Songo-Bembe, implemente projetos de abastecimento e fornecimento de água e energia eléctrica. “Admitimos que nos mandatos anteriores cometemos alguns erros e, por isso, estamos engajados a os corrigir. O voto no MPLA vai permitir que construámos mais escolas, habitações, hospitais, estradas e outras infraestrutura que vão melhorar as condições socioeconómicas dos habitantes de Lucunga”, disse. Mais médicos Paulo Pombolo anunciou que nos próximos meses vão ser enviados mais quatro médicos, especializados em clínica-geral, para reforçar e melhorar a assistência médica e medicamentosa às populações e pediu que a administração municipal crie as condições necessárias para a recepção dos mesmos.

Ainda este ano as vilas do Songo e Bembem vão ser reabilitadas, asfaltadas e sinalizadas com vista a melhorar a circulação nestas localidades e melhorar a imagem arquitetônica destas localidades e promover o desenvolvimento. No Lucunga, 40 quilómetros antes da vila do Bembe, Paulo Pombolo falou do programa de governação do seu partido, assim como o referido manifesto eleitoral e alertou aos eleitores a escolherem o MPLA para continuar a governar com vista a dar continuidade na construção de mais infraestrutura socioeconómicas, como residências, escolas, unidades sanitárias e outras que garantam o desenvolvimento daquela região e melhorar as condições de vida da população.

Fonte: wizi-kongo

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*