Repatriados mais de mil cidadãos ilegais

Uíge – Mil e 635 cidadãos de diversas nacionalidades, que tentaram violar a fronteira angolana a partir da província do Uíge, foram repatriados aos países de origem, pelos órgãos competentes, informou o delegado provincial do Ministério do Interior, Comissário António Simão Leitão Ribeiro.

Segundo o oficial, apesar do número a situação migratória foi calma, acrescentando que o destaque recaiu para os cidadãos provenientes da República Democrática do Congo (RDC).

Fez saber que durante o mesmo período 33 cidadãos ilegais foram sancionados com multas, por infracções migratórias.

No domínio penitenciário, sublinhou, foram registados mil 113 reclusos, entre condenados e detidos.

Desta cifra, 945 foram postos em liberdade, incluindo 150 outros abrangidos pela Lei da Amnistia.

Anunciou igualmente o registo de 109 incêndios, que provocaram oito mortos e danos materiais avaliados em dezanove milhões setecentos e setenta e três mil e setecentos kwanzas, sendo os sectores residenciais e industriais os mais visados.

Instou, por outro lado, os efectivos do órgão a primarem pela firmeza, disciplina e obediência no exercício da missão. Defendeu a necessidade de se combater todo mal que tende a manchar o bom nome da Polícia Nacional.

Referiu que a formação do homem continua a cativar as atenções do órgão, quer do ponto de vista académico, quer técnico-profissional, adiantando que  durante o ano em curso foram capacitados 882 efectivos, nos diversos sistemas de ensino e aprendizagem.

Acrescentou que 903 frequentaram várias acções formativas de especialidade a nível local e central, o que veio melhorar os seus serviços.

Fez saber que a nível do país e da província em particular estão a ser criadas as condições técnicas, materiais e humanas para que haja o sucesso desejado.

Pediu aos efectivos vigilância das fronteiras, para que não se tornem vulneráveis aos olhos dos estrangeiros, bem como defendeu a necessidade de reforçar o cerco aos caminhos de entrada ilegal de estrangeiros.

 

Via Angop

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.