A história da grande nação “KONGO” da África – Antiguidade do Povo Kongo

Por Mbuta MAKANGA

A história da grande nação “KONGO” da África

I – Antiguidade do Povo Kongo
Os Filhos do Céu desceram à Terra

O povo Kongo tem uma história fantástica e uma cultura que nada inveja dos outros. Antiguidade (Kinkulu) é a história de um povo. E, a grande chave pela qual um povo solda sua verdadeira Unidade Nacional está em sua língua ancestral, unidade desejada por Deus, todas as outras unidades nacionais são de interesse secundário. Fazer o contrário é mostrar que alguém é um ignorante perigoso, um é um cego que quer liderar outras pessoas cegas.

Todo o povo cortou o seu passado, as suas ancestralidades tradicionais, o seu dever de vestir, a ancestralidade e a espiritualidade tradicional é como uma árvore arrancada. Mas cedo ou tarde, esse povo vai desaparecer e afundar no vazio que facilite todas as dominações. Como resultado, a tradição do Congo, pediu a todos os filhos do Patriarca Kongo Nimi que intensifiquem a renovação com a luminosa e muito famosa tradição Kongo.

Tudo começou na Etiópia. Para a evolução espiritual e material dos terráqueos, Deus imaginou enviar os filhos do céu à terra para que houvesse um apoio cósmico. Além disso, 2000 anos na terra é um dia que se realiza no céu, e todos os dias no céu, Deus e seus anjos se reúnem para analisar a seqüência de atos dos proprietários de terras. Assim, 2000 anos após a criação deste mundo, um casal divino concordou em vir a fertilizar na terra. Ele desembarcou em um tanque em uma montanha na Etiópia. Falando deste casal: o homem é chamado NZALA MPANDU (sedento por poder) e sua esposa é NKENGE LUFUMA (linda flor).

Este casal deu à luz doze meninos cuja mais velha é chamada Lukengo. Estas doze crianças são: Lukengo, Mulangu, Ndinda, Kana, Kimbu, Ngombe, Kambioka, Kalombo, Mulambi, NKombo, Madionga e Lubaki.

Depois que sua semente amadureceu, este casal divino deu instruções ao seu filho mais velho, Lukengo, e então ele retornou ao céu como ele havia vindo. Antes do dilúvio, os doze filhos do céu nascidos na terra se casaram com as meninas da terra, as filhas do Sr. NTAMI vieram da Índia.

Desses casamentos veio a nação do Kongo (Bena Kongo).

Após o dilúvio, o ancestral Lukengo deu à luz o ancestral Nsemi (criador), cujos descendentes fundaram o clã Nsemi, chamado semita na Etiópia. Um dos descendentes do ancestral Nsemi depois de várias gerações é o ancestral que gerou Makeba Zulu Kongo NIMI Patriarca dos grandes povos africanos nomeados Kongo. O patriarca Kongo Nimi, depois de ter sido testado em três ensaios de conduta que ele consegue, o arcanjo Muanda Kongo pode abençoá-lo e fez dele uma promessa, dizendo: “seus descendentes vão levar o meu nome para sempre, eles habitam a Terra Prometida Kongo dia Ntotela, eles serão os Mestres de todo o mundo e fiadores dos países africanos por toda a eternidade “.

O patriarca Kongo Nimi casado Mom Ngunu, e deu à luz três filhos, dois meninos e uma menina, o mais velho um menino chamado Nsaku, o segundo um garoto chamado Mpanzu, e uma menina chamada Nzinga terceira posição.

Essas crianças ungidas conseguiram materializar os três caracteres divinos na terra. O ancestral Nsaku era um padre, ele ensinou a ciência divina, tomou o nome de Vunda. O antepassado Mpanzu era um ferreiro, ele ensinou ciência técnica. O ancestral Nzinga era um organizador, ela ensinou as regras legais de uma união equilibrada.

Assim, esses três ancestrais fizeram o pacto com Deus.

A genealogia do ancestral Nsaku, Mpanzu e Nzinga representa um clã básico (Mvila). De acordo com os ancestrais do Kongo, aquele que não pertence a nenhum clã do Bena Kongo é um estranho para o Kongo Central. Porque cada clan Kongo justifica um título de identidade nacional. No ano 4200 aC, a maioria dos descendentes dos ancestrais Nsaku, Mpanzu e Nzinga deixaram a Etiópia para ocupar territórios desconhecidos. Eles encheram esses países: Núbia, Ekipata (Egito), Midiã, Caná.

No ano 4000 a.C

O Egito tornou-se a grande potência mundial, espiritualidade, ciência tecnológica e a visão real estava de mãos dadas. Naqueles dias, o Egito foi invadido por estrangeiros de países árabes para o sopé das montanhas do Cáucaso na fronteira européia na Ásia, Mesopotâmia, sem esquecer a Índia. Os estrangeiros foram lá para reabastecer e aprender conhecimento espiritual e material. Foi a corrida pela luz em todas as frentes.

Em 1354 aC, o mago Ntu Nkama (Tutancâmon) sentou-se no trono, durante seu reinado o país era próspero e poderoso. De 1314 a 1301 aC, os três reis apelidados de Nkua Masese (Ramès) sucederam-se liderando o Egito até o desastre.

Após séculos de prosperidade material e espiritual, contaminada pelos povos bárbaros (Brancos) da época, a raça negra transgrediu a sagrada lei de Deus, gênios e grandes ancestrais. Ela abandonou a voz da santidade imitando o modo de vida conduzido pelos brancos que começaram a imitar a santidade da sabedoria Kongo.

Foi a inversão de papéis e morais. Branco tornou-se preto e preto tornou-se branco. Que vergonha para você, Mestre de ontem que se torna o aluno de seu aluno de ontem.

No ano 1300 a.C

Rei Falao Kenatu (Akhenaton) subiu ao trono, lutou contra a desordem social e religiosa, depois de sua morte, vários membros do palácio real, foram massacrados e os outros abandonaram o Egito para os países vizinhos. Foi um grande êxodo em que a princesa MANKENDA SABA, filha do rei Falao Kenatu, se encontrou na Etiópia e depois em Israel. No ano de 960 aC, a Princesa Mankenda Saba, Filha Kongo, casou-se com o rei Salomão de Israel.

Deste casamento em questão, muitos etíopes ( Filhos Kongo) foram para Israel. No entanto, no Egito, os nacionalistas (Makesa) estavam na luta para querer expulsar todos os estrangeiros, apesar de seus esforços o Egito encontrou-se em desordem. Então começou o declínio da civilização egípcia.

No ano 220 aC

o Arcanjo MUANDA KONGO que supervisiona a raça negra mundial apareceu com o Grande Mago MBEMBA ZULU, dirigindo-se ao povo do Kongo a termo:

“Você é meu povo escolhido.
Seus primeiros antepassados ​​vieram do espaço
Mas você nasceu na Etiópia.
Eu te trouxe para o Egito
Agora eu te trago para fora do Egito
E eu te envio muito além da Etiópia:
Para ser a cabeça e o coração
Desta grande região de Ntimansi
Quem vai do Oceano Katiopa , Kalunga
Para as fontes do Nilo,
Você vai viver nos países da promessa
Grande Rei Kongo Grand Mani
Quem virá do céu, do espaço.
É aqui que as profecias serão plenamente cumpridas.
Pois, verdadeiramente, diz o Senhor,
Quando os filhos do mundo das trevas
Irá deflexionar coletivamente
Os povos da terra do caminho certo
A luz que irá reabilitar o mundo
Virá do Kongo dia Ntotela.
Nos horários prescritos pelo senhorio,
Quando a estrela da promessa
Chegará ao Kongo Central. ”

O Grande Mago MBEMBA ZULU ordenou a reunião do povo Kongo

Estando na Etiópia, Cana, Ekipata (Egito, Ngipiti), Madian, Muabi (Nubi). Nos termos da directiva iluminado Mago Memba Zulu, a grande maioria do povo Kongo (Nkangu’a Kongo Kongo Bena) e deixou o Norte de África, através do deserto destino Kalahari Zimbabwe. E parte do Bena Kongo escapou do lote, foi mais para o sul, onde se misturou com os hotentotes, bosquímanos, aborígines. Na África do Sul, os Zulu, Venda e Lemba são irmãos do Kongo. No Zimbábue, Nkulu ISANUSI sucedeu o Mago Mbemba Zulu.

Depois de Nkulu Isanusi vem Mama MBANGALA que conduziu o povo Kongo aos países da promessa denominada Kongo dia Ntotela através de Botswana e Namíbia. O Bena Kongo chegou na África central, onde ocupam um vasto território, incluindo cinco Estados unidos : Kongo dia Mbamba (Angola), Kongo dia Luangu (kongo dia MFUA) Kongo dia Mbumba (Gabão e Camarões sul), Kongo dia Lemba ( kongo dia Kinshasa), Kongo dia Kuimba (de Cabinda a Bushongo entre os Bakuba).

E as Fronteiras da origem deste vasto território pontuam o rio Kunene para a região Mikongo Montanhas em Kongo dia Luangu, oceano Katiopa, Kalunga até Rio Zambeze; do rio Kasai ao lago Mandombe em Bandundu. É a partir de Mbanza Kongo, a grande confederação de África Central, os emissários do plano divino foram enviadas na direção de Katanga, Kasa (Kasai) liderado por Tata para países Kongolo Anomongo Ubangi, por Plante a semente da preparação de prever a vinda do Grande Justiciero Mundial,, o Grande Manikongo, que virá do céu, o espaço Kakongo, num planeta Kongo.

Alguns Bena Kongo isolados permaneceram aqui e ali nos países do norte, abandonados pela maioria. Mais tarde, alguns desses retardatários se juntarão ao Kongo dia Ntotela após fundarem famílias com pigmeus (Mbaka), trazendo consigo a influência cultural e lingüística das áreas cruzadas.

II – A Antiguidade do Povo Kongo

Durante a era do peixe

No ano 320 aC, uma grande assembléia dos sábios teve lugar em Mbanza Kongo, em Angola, o país do Kongo dia Mbamba, havia apenas um guia de uniao do Mago NSAKU LAWU  o caminho da sorte) que tomou a decisão de escolher 720 iniciados para que pudessem construir santuários discretos em volta do Monte Nkumba Wungudi, antes da construção de Mbanza Kongo.

O Mago Nsaku Lawu deu as ordenanças ao povo do kongo:

Para manter a Bukongo (ciência divina) em toda pureza,
Para respeitar o criador do universo,
Para respeitar os anjos, gênios e grandes antepassados,
Não para fazer crianças com estranhos de todas as raças,
Para usar kikongo a língua materna em nosso vasto território,
Para viver em harmonia em qualquer área cultural Kongo,
Para ter amor pelos outros
Para permanecer natural e exemplar,
Para ser um ecologista
Ser vegetariano para se alimentar apenas de coleta e pesca,
Em suma,

O Mestre NKEMBO WAMONESUA sucedeu o Mago Nsaku Lawu, e foi ele quem encontrou a pedra mística (o livro sagrado Makaba) à qual o nome Kongo foi marcado.

Mbanza Kongo é uma terra sagrada para a qual os anjos luminosos predilectaram.

Um anjo prostrado no planalto do Monte Nkumba Wungudi, ele fez um beijo enquanto falava alto como um trovão, ele disse: “ntoto woti woto nlongo! Kongo tadi kabasuemba singa! “.

Ntoto woti woto nlongo, isso significa: Ntoto wawu wena nsemono (esta terra tem uma bênção).

Kongo tadi kabasuemba singa, que significa: Kongo tadi kadivambusua ko (o kongo é uma pedra indestrutível).

Em 424, sob a direção do profeta KODI PUANGA, os povos do kongo assumem as terras de Kuangu, Luangu, Kuilu e Lulua.

Em 529, sob a direção do Mago TUTI DIA TIYA, os povos do kongo tomaram o Platô de Batéké, cruzaram o rio Muanza (Rio Kongo, Nzadi) e formaram o Kongo dia Luangu, Mfua.

Em 690, liderados por Na Kulunsi e Mue NIMI A LUKENI, os povos do Congo capturam a terra de Kuanza, kuangu, para o oceano Kalunga.

No mesmo ano, o povo do kongo começa a construção de Mbanza Kongo.

Em 691, foi o início das obras rodoviárias em todas as terras do Kongo dia Ntotela cujas sete estradas levaram a Mbanza Kongo.

De 698 a 1200, os seguintes reis governaram em Mbanza Kongo:

Mais Ntotela Ngunu Kisana, Ntotela Ngunu Kisala, Ntotela Ngongo Masani, Ntotela Kalunga Punu, Ntotela Nzinga Sengele, Ntotela Nkanga Malunda, Ntotela Ngoyu Malanda, Ntotela Ngunu Kisana, Ntotela Ngunu Kisana, Ntotela Ngunu Kisana

De 1217 a 1457, alguns reis confederais fizeram um trabalho notável na luta contra a anarquia e desordem social como:
Ntotela Mandiangu, Ntotela Nanga Katanga, Ntotela Ntende Kabinda, Ntotela Muabi Kunene, Ntotela Mbuta Kutumi.

Em 1457, o profeta BUELA MUANDA prevê a chegada dos brancos ao Kongo dia Ntotela.

Então veio a desordem da colonização européia que perturbou totalmente a busca do plano divino.

III – A Antiguidade do Povo Kongo

Em tempos de escravidão e colonização

Em 1471, durante o reinado de D. João I de Kongo, Português navegou até a foz do Kongo dia Luangu eles se tornarão apelidado Rio Gabão.

Em 1482, os traficantes europeus de escravos chegaram ao coração do centro do kongo, sob a liderança do português Diego Cao.

Eles massivamente destroem cidades e aldeias, a fim de preparar a colonização e conversão do nobre povo Kongo.

De 1482 até 1855, treze milhões de habitantes do Kongo dia Ntotela foram deportados. O poderoso reino do Kongo dia Ntotela foi balcanizado em 1885 na Conferência de Berlim. Fortemente lutado em apoio de armas de fogo e Bíblias seladas com ferro quente. 03 de Maio de 1491, D. João I de Kongo foi batizado catolicismo e chamou Alphonso 1, portanto, o início da construção de igrejas, fronteiras utópicas e outros.

Em 1506, a morte do rei Nzinga Nkuwu em Mbanza Kongo. Em 1518, Ne Lukeni Lua Nzinga dedicou a Roma o papa Leão X como o primeiro padre católico negro. Em 1654, encontra-se em Mbe, entre o padre Jerome de Monteschario e Ma Koko, um mestre de Bukongo (espiritualidade kongo).

29 de outubro de 1665, surto da grande batalha em Mbuila entre o exército português cuspindo fogo e o atirador de dardo Kongo dia Ntotela. Após dez meses de batalha, o exército do Kongo dia Ntotela é derrotado com a morte do decapitado Rei Vita Nkanga. De 1671 a 1695, guerras eclodiram no Brasil entre escravos negros e forças portuguesas e holandesas.

Estas batalhas foram comandadas por Nganga Zumbu, um insider do Kongo que infligiu respectivamente vinte e cinco derrotas. Em 1698, Mama Mafuta levantou-se e trabalhou para a reunião do povo Kongo. De 1702 a 1706, Mama VITA KIMPA tomou o bastão do peregrino e derrotou os colonialistas e os padres católicos. Ela foi presa e queimada viva em 2 de julho de 1706. Em 1758, desencadeando a guerra de libertação no Haiti sob a liderança de um grande insider chamado Makandala com seus três deputados Mavungu, Makaya e Mananga.

Em 1820, a abolição da escravatura e o retorno de alguns escravos Kongo, na África, para as terras da Libéria e Serra Leoa. De 1706 a 1885, saque sistemático da herança do Kongo e balcanização completamente o fundo de sua cultura.

Durante este período, os portugueses introduziram as crianças do Congo às práticas satânicas, tais como: feitiçaria, necromancia, fornicação, pedofilia, espiritualismo, etc … Em 1914, a Tata Mbianda Ngunga lutou para o reavivamento do povo Kongo, e durante esses anos, o rei da Bélgica Leopoldo II era um holocausto terrível que deu essas grandes iniciados para liderar uma revolução:

Tata Bueta Mbongo, Mama Ngunga Tata Mbiemo Tata Mabiala Manganga Tata dia Kongo Mukuba, Ngongo Mama, Mama Ngiza Tata Nkuka Mpasi etc … Em 1921, Tata Kimbangu defendeu a libertação do povo do Congo. Em 1921, Tata Mbumba começou a lutar contra a reabilitação da língua kikongo e a conservação da espiritualidade kongo. De 1926 a 1942, Tata Matsua estava valentemente pela independência da Kongo e toda a África negra, seu movimento levou alguns especialistas do Bukongo como Tata Ndungu Mpadi Tata, Tata Mbemba e muitos outros. Em 1933, Mataï Muanda, um grande guerreiro liderou a luta de libertação.

Em 1951, Tata Kimbangu morreu na prisão de Lubumbashi, em Katanga.

Em 1954, Tata Kasa VUBU foi eleita presidente da ABAKO: (“uma associação política da qual o abade Fulbert Yulu era membro”). Em 1958, o padre Fulbert Yulu é o presidente da República do Congo. Em 30 de junho de 1960, o Kongo Kinshasa obteve a independência. Em 15 de agosto de 1960, o Kongo Mfua é independente. Em 17 de agosto de 1960, o Kongo Gabon também obtém sua independência.

Em 11 de novembro de 1975, o Kongo Angola obtém a independência.

IV – A Antiguidade do Povo Kongo

Os filhos de um mesmo ancestral patriarca Kongo nimi deve unir
O despertar das NACIONIDADES é AGORA!

Verdadeira Identidade Nacional Kongo é comprovada quando se trata de clã (Luvila)! Todos os irmãos do mesmo ancestral que foram divididos e separados ao acaso deve ser reunificada.

O patriarca e sua esposa Kongo NIMI NGUNU Mama deu à luz três filhos que estão Nsaku, Mpanzu e Nzinga.

Os descendentes desses três antepassados ​​formar uma nação chamada NAÇÃO Kongo, cujos membros são agrupados em três clãs básicos.

Os descendantes ancêstrais do Nsaku fazem parte dos clãs (Mvila): Nsaku, Kinsaku, lembas Lunda Ndingi, Badia Ndingi, Kimbuta, Nkokolo, Kimpemba, Kimvemba, Lawu, Nsongo, Sengele, Kisengele, Kividi, Kuimba, Kinkuimba , Ngimbi, Ngandu Kiyemvo, Kinsembo, Kintumba, Mvimba, Kimviba, Nsembo, Kimpila, Ngemba etc … ( “Espiritualidade, amor”)

Os descendantes ’ancêstrais do pertencem a esses clãs Mpanzu, Kimpanzu, Ndamba, Ndundu, Munuani, Kikuangu, Mpangu, Kihungu, Mbungu, Mfutila, Kimfutila, Mbawu, Nsundi, Kinsundi, Kifuma, Kimbongo Kumba, Kinkumba, Nkua Nioka, Mbembe, Mbimbi, Kimbundi, Kinkuzu, Ngola, Mpaka Mpuku, Kimpondo, Kindongo, Kinsamba, Kinkosi, Kinsuka, Nsuka za Kongo Ntu’a Nkosi Kiwembo etc … ( “Ciência e tecnologia”)

Os descendantes ancêstrais do Nzinga parte destas famílias: Nzinga, Kinzinga, Mbamba, Kimbamba, Kiluamba, Mbala, Kimbambi, Kinanga, Kiyangu, Nianga, Niangi, Mumbanda, Mabulungu, Kiyinda, Kimbenza, Ngoyi, Kingoyi, Woyo, Kinkenge , Ngoma Kingoma, Nimbi, Kinimbi, Mpalanga, Kimbambi, Kawunga, ngoyo, etc … ( “Organização”)

Eu termino aqui. Muito obrigado !

 

Fonte: Sukissa co.uk

Jeronimo Garcia – Traducao livre

Comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*