Sobas de Kangola pedem construção de infraestruturas de renome

Por Alfredo Dikwiza

Kangola, 12/09 (Wizi-Kongo) – A construção de pontes, asfaltagem de estrada, agência bancária, aumento de professores e de enfermeiros, foram pedidos nesta quinta-feira, na sede de Alto-Kawele, pelas autoridades tradicionais por via de uma mensagem lida no acto de abertura dos 59 anos de existência de Kangola, assinalados hoje.

A conclusão do hospital municipal paralisado há anos, construção de sistemas de captação de água a nível das sede das regedorias e fornecimento de energia elétrica quer seja da barragem de Capanda, em Malange ou de Laúca, constaram igualmente na mensagem proferida pelos sobas do município de Kangola, 181 quilómetros a sudeste da cidade do Uíge.

O manifesto foi tornado público durante o culto econômica de acção de graças que antecedeu abertura da quarta edição das festividades da vila de Kangola que decorrem sob lema “Alto-Kawele 59 anos com esperito de união e solidariedade, rumo ao desenvolvimento”. Como disseram, o desenvolvimento deve ser uma constante, para isso, propõe-sea necessidade que se asfalte a estrada da sede de Kangola a comuna do Bengo, numa distância de aproximadamente 45 quilómetros, bem como na construção de pontes sobre os rios Lukala, Lulovu e Buingigi, com vista a facilitar a circulação de pessoas e bens de um parte a outra e construção de um instituto médio politécnico, na sede da vila.

No final do culto, em declarações ao Wizi-Kongo, na sede de Alto-Kawele, Kanga, os jovens residentes identificados de Mauro Pedro, Luamba Matamba e Oscar Cassule louvaram com altas estima os pedidos feito pelas autoridades tradicionais ao governo provincial liderado por Mpinda Simão, aquém eles depositam suas confianças na resolução destes e mais problemas junto de suas comunidades.

“Sentimos que estamos bem representados pelas autoridades tradicionais, na sua mensagem eles foram logo no problema que são de interesse comum e preoritário a nível do território de Kangola, pelo que, esperamos que estes problemas apresentados sejam tido em conta para o desenvolvimento do nosso município, uma vez respondidos”, afirmaram.

Falta muito por se fazer aqui, acreditaram, mas o que foi solicitado pelos sobas uma vez atendido logo o município irá marcar passos progressivos e, com isso, se irá fazer outros pedidos, além das iniciativas do próprio governo na construção de infraestrutura sociais e não só a nível da localidade, tendo acrescentado que por parte dos jovens estão mais preocupados com a falta de fábricas e projectos de grandes dimensões que possam garantir-lhes o primeiro emprego.

Situado no paralelo 16 de latitude sul e 18 de longetitude do merigrãos de Grew, com clima tropical húmido e quente, com duas estações anuais, seco e chuvoso, possuindo recursos hídricos, florestais, inertes e solo arável favorável para a produção da agricultura, o município de Kangola possui uma estensão territorial de 2.975 km2, ocupados por 61 mil e 964 habitantes, duas comunas (Caiongo e Bengo), 22 regedorias e 118 aldeia, numa densidade de 18 pessoas por cada km2, Alto-Kawele, sede da vila de Kangola, fica situado a sudoeste da cidade do Uíge a uma distância de 182 quilómetros.

Limita-se ao norte com o município de Sannza Pombo, ao leste e sul com os vizinhos município de Malanje (Massango e Calandula) e oeste com os municípios de Negage e Púri, respectivamente.

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.