Hospital de Kimbele inaugurado com número insuficiente de profissionais, sem estoque de sangue e com falta de medicamentos

Por Danielle Stescki

“Existe estrutura…, mas não há técnicos para operar os equipamentos,” explicou o activista Rey Daddyx Manda Chuva”.
No dia 4 de Fevereiro, o governador Pinda Simão inaugurou um hospital de referência no Quimbele, Uíge.

Segundo a imprensa angolana, o hospital regional, construído e equipado com tecnologia de última geração, tem capacidade de internamento para 84 camas, possui áreas de consultas externas, ginecologia e obstetrícia, cirurgia, odontologia, laboratórios de análises, hemoterapia, bloco operatório, raio x, reanimação, medicina geral, planeamento familiar materno-infantil e uma morgue com 12 gavetas.

No entanto, em entrevista à Voz da América, o activista Rey Daddyx Manda Chuva lamentou a inauguração do hospital pelo governador Pinda Simão porque faltam técnicos, médicos, enfermeiros, sangue no estoque, materiais e medicamentos.

Ele, a família e os amigos já foram ao hospital em busca de atendimento, mas explicou que ainda é preciso ir tratar-se nos postos médicos, porque a estrutura hospitalar não oferece as condições necessárias.

Acredito que é simplesmente um hospital para se tratar paludismo“.

Sobre concursos para preencher as vagas de emprego no hospital, o activista disse que houve um concurso público no ano passado organizado pelo Governo central, mas apenas uma médica está a trabalhar no hospital de Quimbele.

Resultados

Em Dezembro, Manda Chuva denunciou numa entrevista à Voz da América a situação precária da saúde e da educação, além da falta de infra-estrutura nas comunas de Icoca, Cuango e Alto-Zaza. O activista disse que a denúncia colaborou para a exoneração do administrador municipal do Quimbele, Manuel João.

“ Acredito que as denúncias que eu e muitos de nós temos feito fizeram com que o governador muitas vezes desacreditasse nos relatórios do ex-administrador Manuel João”.

Segundo o activista, o administrador foi à procura de Manda Chuva para tentar influenciá-lo.

“Tentaram corromper-me, até aliciaram-me para ver se eu estava a precisar de dinheiro ou se estava a precisar de algum emprego”.

Manda Chuva disse que não precisava de dinheiro e nem de emprego.

“Eu estava a precisar das condições condignas para aquele povo, para aquela terra que me viu nascer”.

O activista fez um apelo à Ministra da Saúde, Silvia Lutucuta.

“Que faça um trabalho de campo em busca da realidade e não fique apenas em Luanda. Todas as estruturas inauguradas devem ser fiscalizadas. Aconselhamos a ministra que vá ao Quimbele e a outros municípios da provincia do Uíge para poder constatar in loco o que se vive”.

Confira a entrevista.

Via Voanews

Comentário
Fichier hébergé par Archive-Host.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.